XX EVQFM
Retrospectiva 20 anos
"Copa do Mundo" é criada para contar história de evento dedicado à Química Farmacêutica Medicinal
Por Lucia Beatriz Torres

A Escola de Verão em Química Farmacêutica Medicinal (EVQFM), há 20 anos, faz jovens de diversas partes do País trocarem as praias cariocas por aulas no Fundão/UFRJ. Sempre realizada no período das férias acadêmicas de verão, durante uma semana, o evento promove uma intensa jornada científica onde são oferecidos cursos e conferências, com renomados especialistas do Brasil e do exterior XX EVQFM

Organizada, desde 1995, pelo Laboratório de Avaliação e Síntese de Substâncias Bioativas (LASSBio/UFRJ), a EVQFM tem a missão de atualizar e capacitar estudantes de graduação e pós-graduação, assim como profissionais e pós-doutores, em temas clássicos e modernos da Química Farmacêutica Medicinal.

XX EVQFM Com o objetivo de resgatar as memórias dos seus 20 anos, rendendo tributo àqueles que colaboraram para o seu sucesso científico, a EVQFM produziu uma publicação comemorativa. 

Retrospectiva 1995-2014

“Escola de Verão: 20 anos de contribuição
à Química Farmacêutica Medicinal˝
Leia aqui

Segundo estatísticas, ao longo de duas décadas, o evento recebeu mais de 3.100 participantes e ofereceu 122 diferentes cursos e 90 conferências, sendo 36 com especialistas estrangeiros. Ponto de encontro do saber farmacêutico ligado à Química Medicinal, pela Escola de Verão já passaram personalidades importantes da disciplina a nível mundial.

Para apresentar a retrospectiva da Escola de Verão de forma descontraída, dando boas vindas aos participantes da vigésima edição, a jornalista Lúcia Beatriz Torres criou a ˝Copa do Mundo da Química Farmacêutica Medicinal" XX EVFQM
Acesse aqui
COPA EVQFM  
20 anos 


XX EVQFM REGRAS - Na Copa EVQFM, ganhava o direito de disputar a final com o Brasil o país que tivesse feito mais ˮgols˝ na Escola de Verão, ao longo de 20 anos.

Cada participação no evento valia 01 "gol" para o país de origem do especialista em Química Medicinal. Ao todo, 14 países participaram do "campeonato" criado para animar a abertura da XX EVQFM.

A 20ª edição foi palco para a "disputa" final da Copa EVQFM. Qual país fez mais" gols" na Escola de Verão e enfrentou o Brasil?

Como em todo campeonato, a Copa EVQFM tem times com favoritismo. Entre eles a Inglaterrra, que trouxe Robin Ganelinn (2005) e Simon Campbell (2006), inventores da Cimetidina e do Sildenafil (Viagra®), respectivamente, e a França que marcou 03 pontos com a vinda do mestre Camille Wermuth (1997) da Universidade Luis Pasteur, autor do famoso livro de Química Medicinal ”The Practice of Medicinal Chemistry” e do seu discípulo, Jean Jaques Bourguinon (2001 e 2007).

Os times ˝patrocinadosˮ pela International Union of Pure and Applied Chemistry (IUPAC) também receberam destaque na ˝Copa do Mundoˮ, criada pela jornalista que organizou a retrospectiva dos 20 anos da Escola de Verão. Em 2005, no domingo anterior ao início da X Escola de Verão houve a reunião do Comitê de Química Medicinal da IUPAC, no Rio de Janeiro. Durante a semana, 07 especialistas de diferentes nacionalidades, em sua maioria vinculados às indústrias farmacêuticas, se revezaram para apresentar o primeiro curso “Highligths in Medicinal Chemistryˮ. Em 2014, o curso voltado para a pós-graduação completou 10 anos na grade de programação do evento.

XX EVQFM Segundo as regras do ˝campeonato”, professores reincidentes na Escola de Verão também marcavam pontos para o seu país. E melhor, podiam concorrer a melhor artilheiro da Copa EVQFM 20 anos.

Com 04 gols cada um, Hugo Cerecetto, da Universidad de la Republica (Udelar), representando o Uruguai e Pier Giovanni Baraldi, da Universidade de Ferrara, a Itália, dividiram o título de melhor artilheiro do “campeonato˝ da Escola de Verão.

Baraldi e Cerecetto marcaram presença na XX EVQFM. O cientista italiano ministrou uma conferência e uruguaio, além de apresentar um curso junto com sua esposa, Mercedez Gonzales (Udelar), coordenou a II Escuela Internacional de Química Medicinal e Farmacologia. O evento aconteceu em conjunto com a XX Escola de Verão em Química Farmacêutica Medicinal (EVQFM)

No campeonato de futebol fictício, a torcida foi representada pelos mais de 3 mil participantes que passaram pelo evento, em 20 anos de Escola de Verão. Uma sessão de fotos relembrou as ˝torcidas˝ antigas, veteranas, que vinham de diferentes partes do País para aprender Química Medicinal. A logística do evento também foi apresentada na Copa EVQFM: do alojamento ao transporte para o fundão, das bolsas de estudo à alimentação, do rígido controle de segurança às comemorações.

XX EVQFM Nesses 20 anos o evento já recebeu alunos dos mais diferentes perfis.

Alguns concentrados, outros nem tanto; tinha também  os animados, totalmente acordados e questionadores, e os muito cansados (pela diversão da noite anterior), acompanhados ou solteiros, mas todos com algo em comum: a paixão pela Química Farmacêutica Medicinal.

Muitos que passaram pela Escola de Verão apaixonaram-se pela disciplina e tornaram-se mestres, doutores, professores ou pesquisadores especialistas na área.


Em várias instituições de ensino do País, é possível encontrar professores e pesquisadores que já participaram da Escola de Verão. O que mostra que o evento foi responsável por influenciar a trajetória científica de muitos de seus ex-alunos. Na publicação retrospectiva dos 20 anos, são contadas algumas histórias de pessoas que, atualmente, são professores e eminentes pesquisadores na área, que no passado já estudaram na Escola de Verão. Leia aqui

“A longo desses 20 anos tivemos a felicidade de despertar vocações. E isso é muito gratificante˝ – observou o Prof. Eliezer J. Barreiro, idealizador e coordenador do evento. Em sua apresentação na abertura da XX Escola de Verão, Barreiro contou que se surpreendeu quando notou que a Escola de Verão, hoje, tem mais idade do que muitos de seus alunos, que em sua grande maioria (75%) é formado por alunos de graduação de Farmácia, Química e áreas afins.

XX EVQFM


XX EVQFM

Copa do Mundo da Química Farmacêutica Medicinal

  Torcida apresentada, agora vamos à questão... Qual país teve a maior assiduidade na Copa EVQFM 20 anos e vai disputar a final com o time do Brasil, formado pelos anfitriões do LASSBio/UFRJ?


Na escalação do time prata da casa está o ˮcapitãoˮ Prof. Eliezer J. Barreiro, que há 20 anos marca gol na Escola de Verão apresentando o curso ˮIntrodução à Química Farmacêutica Medicinal˝. Além dos seus discípulos-ˮatacantesˮ –  a Profa.  Lídia Moreira Lima, que há 10 anos ministra o curso “Metabolismo de Fármacos e Toxicologia” e o Prof. Carlos Manssour Fraga responsável, por entre outros, “A História de Descoberta de Fármacos” e “Estereoquímica de Fármacos” –  Barreiro conta ainda com o ˝reforçoˮ de outros professores que, a cada edição, vêm de diferentes Instituições de ensino e pesquisa do Brasil ministrar conferências e cursos na Escola de Verão.

Segundo o ranking do "campeonato", o Uruguai foi o país que fez mais ˝gols˝ em 20 anos da Escola de Verão, com 08 pontos, seguido de um empate técnico entre Alemanha e Estados Unidos, cada um com 07. Contando com a ajuda do Prof. Cerecetto, o grande goleador (artilheiro, em espanhol) com 04 gols, e da delegação de professores que veio ao evento em 2014, o Uruguai conquistou a vaga para  disputar a final contra o Brasil, na XX EVQFM. A partida relembra a final da Copa do Mundo de 1950, quando os dois países se enfrentaram no gramado no Maracanã.

XX EVQFM


Brasil X Uruguai. Por coincidência a ˝disputa˝ ocorre na mesma edição em que XX Escola de Verão em Química Farmacêutica Medicinal (EVQFM) está acontecendo em conjunto com a II Escuela Internacional de Química Medicinal e Farmacologia, organizada por professores uruguaios, da Universidad de la Republica (Udelar). Façam suas apostas. Quem vai ganhar a ˝Copa do Mundo da Escola de Verão"?

Brincadeiras à parte, na ˮCopa do Mundo da Química Farmacêutica Medicinal˝ quem ganha sempre é a ˮtorcida˝. Ou seja, os alunos que se beneficiam com os novos conhecimentos trazidos por cientistas de ponta da área e, ao mesmo tempo, têm a oportunidade de praticar o saudável ˮintercâmbio científico˝, em uma das paisagens mais bonitas do Brasil.

XX EVQFM


Surpreendidos pela inusitada apresentação, alunos e professores se entreteram com a “Copa do Mundo da Escola de Verão˝.˝ A retrospectiva dos 20 anos foi muito bem feita e divertida!˝ –  declarou o professor italiano Pier G .Baraldi, que esbanjando jovialidade aos 82 anos de idade, dividiu com Cerecetto o título de artilheiro da ˝Copa da Escola de Verão”.

Para a torcida gaúcha, da PUC-RS, a “Copa do Mundo˝ acordou a galera que estava um pouco sonolenta após as falas da mesa de abertura da Escola de Verão. ˝Foi uma ótima recepção, muito original. Incentivou o pessoal a se entrosar! “– declarou em coro o animado grupo de amigas do Rio Grande do Sul (em destaque na foto).

A paulista Amanda Migoto, da Faculdade de Pindamonhangaba (Fapi), achou muito interessante participar de um evento em que se conhece a sua história. ˝A gente vai para aula com mais entusiasmo!”- declarou. Já Nicolas Cataldo, da Udelar, disse que sentiu orgulho de fazer parte da torcida do Uruguai. Para ele, a brincadeira logo no inicio do evento foi boa para aproximar os participantes da Escola & Escuela.

No ano em que o evento bateu recorde de presença feminina, cerca de 75% dos participantes da XX edição eram mulheres, dizem nos bastidores da ˝torcida” que Amanda (Brasil) & Nicolas (Uruguai) marcaram o maior "gol" da XX Escola de Verão! Espera-se que o romance da Copa EVQFM dure muitas primaveras, assim como a Escola de Verão.

XX EVQFM